sábado, 10 de abril de 2010

Urdidura


Tecer um poema
Requer encontrar o fio
Tramar, tramar...
De palavras
Que deve ser concluído
Pelos outros
Só faz sentido....quando
Compreendido pelo outro
Que é leitor
Ver, ler, compreender
A trama pode ter cores
Ora são brandas... acalma
Ora inquietas... agridem
Nos faz navegar
Nestas braçadas na web
Nestes dias, não devia ?
Há um antropofagismo
Devorador, jogos de guerras
Uma trama de morte
Ninguém se fala...atrapalha!
Como ter um trama suave ?
Trama poesia de seda
Trama de um fio qualquer
Há um correr insano
Cada leitor a sua maneira
Lê a trama e lhe confere uma forma
Outros nada vêem
Neste sistema mecânico
Não percebe uma virgula, uma pausa
Nesta imensa colcha de retalhos
Surgem fios, indiferença e desilusão
Nos levando a uma trama
Dolorosa e indomável
Chicote louco,
Cada leitor uma trama
Uma caverna
Uma cisterna
Uma imagem
Feita de letras
Que nos falou
Dos lírios do campo
Nasceram tecidos
Uma trama para o leitor.

4 comentários:

  1. Olha eu aqui, como prometi! Um tempo surgiu para o deleite... rs
    Gostei de como teceu sua trama, fios entrecuzados no mundo virtual, fios os quais nos aproximaram e fizeram-nos conhecer. Abençoado fio! Glória a Deus! Beijo Ju

    ResponderExcluir
  2. Pois é meu primo !
    as vezes tecer requer
    um pouco de tudo:
    dor, amor, carinho e até mesmo umas palavras mais duras, para melhor sair o seu melhor...
    amei o poema que faz sentido no nosso dia dia.

    Ohhhh meu primo, que a Graça de Deus esteja em cada amanhecer juntos com os seus envia beijos a todos.

    Mariza Maravilha

    A srtª. que faz a diferença

    ResponderExcluir
  3. Passei por aqui e achei muito bonito a maneira de tecer seu poema. Parabéns!!

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelas visitas e pelos comentários, JF! Muito bom o poema, tem mesmo tudo a ver com a minha proposta no blog. Um grande abraço e apareça sempre!

    ResponderExcluir