terça-feira, 28 de junho de 2011

Invisível


Sou insivível
Me visto de palavras de seda
Não me faço invisível
Sou um invisível vivo
Não um transparente morto
Ser invisível é ser perigoso
Quebro prisões
Conserto casas
Choças, mansões
Detenho exércitos
Calo canhões
Há olhos que não me veem
Ouvidos que não me ouvem
Muitos enformam
É de ouro
É de prata
É de pedra
Outros informam
Consumismo mortal
Modelo de caos
Multiplicação de iniquidade
Em muitos o amor se esfriou
Me fizeram invisível
Quem tiver as marcas dos homens
Me faz invisível
Muito irão morrer pela boca
Nem só de pão vive o homem
Como o vento que ninguém vê
Eu existo nos olhos de quem crer
A boca fala do que o coração está cheio

Um comentário:

  1. Amém é amei... Lindo e forte!
    Feliz Páscoa pra toda a família sem esquecer a linda netinha Sofia!

    ResponderExcluir