segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Embrisar


Um vento calmo conduz
Eu, o mar e meus versos bronzeados
Sem a sua presença...
Corpos e versos pálidos
O sol não se faz poesia
Só uma canção de lamento
Pôr do sol solitário
Não é belo, não há arte
Não é luz, não há líquido
Sem você tudo é concreto
Choro um chumbo pesado
Sinto sede das ondas
Beber de sua presença
Maquiagem, de corpo salgado
Conversas de namorado
Brisa e brasa não se apagam
Dunas que se movem
Levam nosso amor
Sempre que o mar embrisa
Ele me trás você
Em um crepúsculo...
Com sabor de beijo
Grão de areia
Em minha pele
Não dá pra esquecer...

4 comentários:

  1. O que nos trás saudades é o que nos ajuda a viver, é a força que move muitos dias nossos...

    Tua poesia é belíssima Aguiar, sou fã de tua escrita.

    Abraços pra toda família um especialíssimo pra sua netinha tão fofa.

    ResponderExcluir
  2. Como é romântico esse meu amigo! Linda! Linda, a tua poesia!

    ResponderExcluir
  3. Ver o mar é uma ótima terapia. Gostei muito da poesia.
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  4. Sua poesia remeteu-me ao hino "Conta as muitas bênçãos", às ondas agitadas das nossas vidas... Embora tenhamos dias de ondas agitadas, o amor de Deus circunda toda a nossa vida. Meu amigo, viver o amor é sempre o melhor caminho, o único caminho! Para o qual fomos predestinados a viver. Quando leio suas poesias, paro e medito no tempo, nas bênçãos as quais o Senhor derrama em nossas vidas e agradeço! Agradeço pela nossa amizade, pelo sangue que nos uniu, o qual personifica tão grande amor de Deus. Sinto-me ricamente abençoada, porque os tesouros que Ele acumulou em minha vida, desfrutarei na eternidade: a família preciosa que Cristo me deu. Como sou feliz! Suas poesias circundam essa realidade: o puro, o santo e o verdadeiro amor.
    Linda poesia! Deus o abençoe!!!

    ResponderExcluir