terça-feira, 26 de outubro de 2010

Esconder

Há algo em comum
Entre o Rio e Cabul
A burca não esconde o rosto
As cidades estão nuas
Os tecidos não escondem
As balas que traçam o destino
Nada doce, nada céu
Famílias órfas, pobres meninos
Há algo comum entre o Rio e Cabul
Talibã, milícia, trafico e policia
Não há burca que esconda
O corpo e a sua vergonha
Quem pensar diferente
É inimigo da gente
Olho por olho
Dente por dente
Sofrem as criaturas
Becos, escombros e ruas
O sol comum a todos
Mas há um escuro
Gritos e lágrimas
Cidades em guerras
Manchetes de sofrer
Homens e bombas
Drogas e mortos
A mentira, a verdade de muitos
A Verdade, a vitima de todos
Pelo Rio, por Cabul
Deus traga a sua luz.

5 comentários:

  1. Há o escondido que grita, e que agita as "águas calmas" ao redor, brilhante post.

    ResponderExcluir
  2. Essa é a realidade dos afegãos: o oculto, o mistério, o medo... Deus tenha misericórdia desse povo, dessa gente tão sofrida.
    Oremos por eles e por todos que sofrem perseguição e, de fato, oprimidos.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela visita J F Aguiar, estarei sempre por aqui, pra conferir as novidades...

    ResponderExcluir
  4. gostei especialmente desse texto.Desculpe por estar um tempo sem aparecer.
    Há algo em comun entre Cabul e o mundo: a opressão. Todos somos oprimidos pela dor da violencia, ngm está em paz!

    ResponderExcluir
  5. LINDO!!!! Vou postar depois no meu blog.
    Um grande abraço meu amigo.

    ResponderExcluir

Diferentes crianças

Somos muitos,ingênuos... Só que há verdade dos fatos Atos gritam aos surdos aos cegos Não queria crer, O som da dor e brutal Por convic...