segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Silêncio


De onde advém tantas dores?
Está dentro em um profundo...
Maltrata, remexe
Corroe e dói
Meus antepassados...
Eu mesmo o culpado?
As lamentações de Jeremias
Dos Josés das Marias
Falamos e não ouvimos
Orações de monólogos
Uma ansiedade para
Se ter
Não para viver
De onde advém tantas dores?
O pão que nos alimenta
Prazeres, e escolhas...
Uma voz ecoa
Onde está seu tesouro?
Lá está seu coração.
A fama, ouro,
Poder, posição
Nos pregões do mundo
A cada dia a cotação
O valor de sua alma
O Valor de sua vida
Por quando você está vendendo?...
Por uma bala de açúcar?...
Por uma , nada doce?...
De onde advém tantas dores?
Os Caminhos que escolhemos
Os frutos que plantamos
Para que serve uma Bic que não escreve?
Uma Brastemp que não lava?
É assim um homem sem alma...
Não foi o acaso seu formador
Deus é seu criador
Das suas unhas à alma...
Seu cérebro e seus pensares...
Se deres ouvidos a ele
Comereis o melhor da terra
Ele é o bálsamo
Para as mais profundas feridas
Como anda sua agenda?
Marque um dia com Jesus.

Um comentário:

  1. Gestos de carinho, atenção e delicadeza fazem-nos perceber quanto algumas pessoas são especiais na forma de ser e como são bem-vindas as suas ações. Muito obrigada pela tua presença em minha vida!
    Parabéns meu amigo pelas postagens , estão maravilhosas. Fik c DEUS
    Abraços

    ResponderExcluir