segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

CEDER

Preciso ceder esta minha sede
Já era tempo, há séculos ...
Preciso ceder a sede de muitos...
Aprender o que nunca para mim foi lição
Sempre bebendo em meu umbigo
Cisternas, cacimbas, nunca foram minha cina
Preciso ceder esta minha sede
Sede de água nas calçadas...
Os gritos de muitos por água
Sertão e suas promessas
Promessas de homens
Promessas para os Santos
Terra seca, me mande água
A sede chegou em outros portas
Falta H2O onde nunca poderia faltar
Preciso aprender a ceder minha sede
Banho sempre foi luxo para muitos...
Com sapato apertado não se pode dançar
Lembro do meu chinelo velho...
Água para matar minhas sedes...
Não cedemos nossas bocas
A quem mais entende de água e sede
Continuar  bebendo água de volume morto?
-  "Quem beber da água que eu lhe ter
do seu  interior irá fruir rio de água-viva
É preciso ceder ...
Ceder nossas sedes, ir de caneco em caneco
Ao dono da fonte
Há um deserto em nós...


2 comentários:

  1. Olá, Aguiar.
    Uma bela reflexão sobre esse momento difícil que estamos enfrentando. Parabéns pela sensibilidade. Abraço!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Só você mesmo, amigo! Sua sensibilidade é linda! Foste além da falta de água no planeta... disseste bem da nossa sede interior... Precisamos ir ao dono da fonte. Precisamos matar a nossa sede com a água da vida e deixar nosso egoísmo e levar outros a essa Fonte: Jesus! Oh! como precisamos! Há um deserto em nós!

    ResponderExcluir