segunda-feira, 13 de outubro de 2014

As portas

Oh! Nobre de berço
Há percepção sem objetivo
Há  distorção, alucinação
Cores e formas, céu e inferno
Há portas que a percepção é difusa
Over dose sem retorno
Livre Sem Deus 
Navio sem leme
rumo ao admirável mundo novo
Onde o homem ilha se perde em trilhas
O crack, caminho sem rumo
Efeito da mescalina e suas miragens
Morte em vida, porta larga...
Pedras de tropeço...
Só há um jeito de ultrapassar a morte
A certeza no que o olho não vê
Oh, nobre de berço não seremos livres
Se não conhecermos a verdadeira percepção
O quê eu frágil homem posso querer?
Como melhor se  sair das garras da morte?
O homem de Nazaré...e sua percepção
Senhor em suas mãos entrego meu espírito
Três dias....dormindo com Deus
O eterno não morreu
Foi preparar um novo céu um nova terra
O que Aldous Hexley precisava enxergar.




3 comentários:

  1. Olá, Aguiar
    Belo texto, como sempre.
    Sua percepção me lembrou um ótimo livro que li recentemente, da jornalista Eliane Brum: "A vida que ninguém vê". Continue postando seus textos.
    Abraço!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Amigo querido,
    Suas palavras são o eco da sabedoria do alto, da voz profética que ainda necessita clamar no deserto de nossas vidas. Deus nos ajude e continue a anunciar as boas-novas ao mundo surdo-mudo. Oxalá! Deus preencha nosso ser de coragem e de ousadia dos primeiros anos da cristandade.
    Um afetuoso beijo da filha-amiga

    ResponderExcluir
  3. Irmão Aguiar, quão bom é encontrar pessoas como você que não retém o conhecimento, mas desaguá em outras vidas aquilo que Deus fizera e faz em sua vida, que Deus continue te inspirando pela percepção e meditação da vida para escrever as poesias, continue escrevendo, muito bom o seu blog, sim, gostei dessa poesia "As portas" um forte abraço!

    ResponderExcluir

Desinteressante

Não as vejo no jardim, flores Com dores traçamos destinos Balas traçantes, mortes, triste instante Só noticias frias, sem poesia Cambale...