sábado, 27 de abril de 2013

Fome


















Tenho fome da palavra
A palavra exata
Tenho buscado
Ela está no ar
Ela está na terra
Ela está no mar
Quero come-la
Ela e doce na boca
Amarga no ventre
Os dias são maus
Busco ver o bem
O mal está a porta
Absinto em meu peito
Tenho fome de encontra-la
Subirei as nuvens
No mais profundo da terra
No Abissal do oceano
A palavra exata
Pisada pelos homens
Maltratada pelos tolos
Desprezada pelos fortes
Ele e doce na boca
Ela e amarga no ventre
É preciso come-la
Ela aproxima
Ela nos afasta
Ela enxuga
Ela trás lágrimas
Doce na boca
Amarga no ventre
Não mais dores
Eis a palavra
Vida aos corações
A quem se fizer de menino

3 comentários:

  1. Belo poema, caro Aguiar.
    Fome de palavra, fome de verdade, fome de alegria, fome de VIDA!!!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Bem aventurado os que tem sede da palavra. Que Deus abençoe você imensamente. Volte sempre que puder, é um prazer em te-lo lá nos blogs.
    abraço

    ResponderExcluir
  3. quero e desejo
    a palavra inspirada
    a palavra remah

    a palavra carregada
    doce e suavizante

    a palavra dura
    que a nós cura


    Obrigada J. Aguiar meu amigo

    Deus te abençoe rica e poderosamente

    ResponderExcluir