terça-feira, 6 de outubro de 2009

Crer


Há de se crer
Quando se ouviu dizer
Este é meu filho amado
Há de se crer quando suas
vestes reluziram
Há de se crer quando o cego enxergou
O paralítico que não andava caminhou
Há de se crer quando se vê
Um homem andando sobre as águas
Há de se crer um morto ressuscitou
Que poder! há de se crer
Lázaro ressuscitou! há de se crer
Mas o que dizer de quem nunca
Fora seu seguidor
que seus atos e milagres não presenciou
Crer em um homem ensanguentado
Com feridas profundas e maltratado
Um ser vivendo os insultos e deboches
Como crer em um farrapo com uma coroa de espinhos?
Preso em sua ultrajante dor
Como crer?
Um cenário de derrota, como crer?
Mas um ladrão condenado ao seu lado:
-Eu sei porque recebo castigo pelos meus atos
Mas este nenhum mal fez
Como estar em igual sentença?
-Jesus lembra-te de mim
Quando vieres no teu reino
Disse-lhe Jesus: hoje estarás comigo no paraíso
Com este ato há de se crer






3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Irmão J.F.Aguiar,
    Gostei de suas poesias, especialmente desta, que me fez refletir no imenso amor de Jesus! Como é bom crer neste Deus!! Que Ele continue o abençoando e inspirando.
    Abraços
    Iza Almeida

    ResponderExcluir
  3. A internet é um meio de comunicação maravilhoso, pois se buscarmos, nós achamos aquilo que nos faz ver a vida de uma outra forma.
    Por meio de poemas, prosas e versos podemos nos deliciar com estas pessoas que tem este Dom de escrever, que DEUS te abençõe e te ilumine cada dia mais
    Saudações do Amigo e Irmão em Cristo Elcio

    ResponderExcluir